Saturday, April 26, 2008

CHEGANÇA


Néctar escorrendo pelas coisas. Eucaliptos vertendo mel. Mar coberto de acácias amarelas.


Praias ricas de áurea salsugem. É noite e tudo brilha. Foi atingida a iluminação. Tudo pode. Tudo


se vê. É a chegada, em tropel, do amor. Da chama reativada que surge em cavalgada vindo lá das


bandas do horizonte e que vai invadindo as savanas sentimentais. E vai terra a dentro


explodindo numa chuva de flores. Puro sentir. Jorro orgástico de prazer de viver. Um espargir


de amor onde a terra secava. É chegada a hora da colheita.



Otávio Coral

5 Comments:

Blogger JoJosho said...

See Please Here

12:22 PM  
Blogger Andrea said...

Mágico seu blog, grata pelo convite!
Quanta suavidade em suas palavras.
Estou encantada, parabéns!
Beijos repletos de luz, Deinha!

4:07 PM  
Blogger Alessandra said...

Olha, sinceramente, a gente até se pergunta, onde? onde vai parar o poeta? com seu deslimite? quero dizer que você está demais com a poesia. "Chegança" , li noutro dia num livro que "Chegança" é uma dança lasciva do século XVIII, também muito conhecida na região do médio e baixo São Francisco.
Um beijo, lindo tudo!

5:59 PM  
Blogger Poemas e Cotidiano said...

Muito linda sua descricao, em cada sentenca, um imaginar.
bjs
MARY

4:06 PM  
Blogger LunaDIPRIMO said...

tudo lindo aqui...bju

10:37 AM  

Post a Comment

<< Home