Tuesday, April 08, 2008

PENSAMENTOS ARTICULADOS NA PUREZA DA NEBLINA



Num torvelinho de sensações as palavras perdem-se.Ou soltam-se, sei

lá. Elas como se evaporam e deixam um silêncio boiando, sem cor,

sem cheiro, sem estrutura. Que poderia ser a da bolha de sabão, como

no conto da Lygia Fagundes.Seria ótimo diluir-se numa estrutura de

bolha, transparente. Nada passaria despercebido. Cada esgar seria

acompanhado. Cada espasmo, sentido. Cada vômito, analisado.

Depois , talvez, desestruturado, sem máculas, sem rastros, apenas

restos de átomos indiferentes, as palavras pudessem tentar uma

reconstituição virtual. De início apenas, impressões, sem signos,

sem sentido. Alguns ruídos iriam se fazendo. Um certo caos se

instauraria e coisas novas coloridas bailariam. A mente criaria

a meio de uma grande festa, uma ilusão passageira ou uma real

fantasia duradoura. E numa voragem louca de ânsias, de buscas,

de descobertas, as emoções seriam tomadas, guardadas,arquivadas

e usadas quando a ocasião se lhes aprouvesse.

O brilho do renascer do mundo perdido.

Otávio Coral

4 Comments:

Blogger Renata Christina said...

Muito bom texto aliado a uma imagem muito apropriada. Gostei muito de ver seu blog atualizado!

3:39 PM  
Blogger Fenridal said...

See Please Here

6:05 AM  
Blogger Poemas e Cotidiano said...

Que beleza de texto, combinado com a fotografia!
Amei Otavio!
Bjs
MARY

8:44 AM  
Blogger Ellen Veloso Soares said...

Eu gosto da desestruturação das coisas.. da reorganização do mundo.. do refazer-se sempre, em todo segundo!

4:16 PM  

Post a Comment

<< Home